sábado, 16 de abril de 2011

Ápio Campos

Por João Jorge Pereira dos Reis

Depois de uma longa caminhada, ontem (15) descansou ÁPIO CAMPOS PAES COSTA. Nascido em 07 de julho de 1927, na capital paraense, foi poeta, contista, ensaísta, cronista, jornalista, professor, padre, cônego e amou a Vida, sendo considerado o padre-poeta.

Ápio Campos era membro do Instituto Histórico e Geográfico do Pará e da Academia Paraense de Letras (cadeira nº 30; patrono: Manuel Barata). Lecionou no Instituto Educacional do Pará (IEP), Colégio "Paes de Carvalho" e Seminário S. Pio X. Também exerceu o magistério superior, ministrando as disciplinas Filologia Românica da antiga Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras do Pará, Língua Portuguesa no Centro de Estudos Superiores do Pará (CESEP), História da Linguística na Universidade Federal do Pará (UFPA) e coordenador de Teologia na Universidade da Amazônia (UNAMA).

Livros: Marítimas (Poesia; 1955), Aquele padre velhinho (ficção; 1956), Cítaras em surdina (poemas; 1957; Menção Honrosa/Academia Paraense de Letras), Rosa super rivos (poemas em latim; 1958; Prêmio Santa Helena Magno/Governo do Pará), Olhos dentro da noite (contos; 1959; Prêmio Terêncío Porto/Academia Paraense de Letras), Canto agônico (poemas; 1960), Catecismo eleitoral cristão (doutrina social católica; 1960), Hora do ângelus (crônicas trasmitidas pela Rádio Clube do Pará; 1962), A batina no banco dos réus (ensaio; 1963), Pastoral das sombras (poemas; 1965), Fandango (contos; 1967), Problemas de educação e desenvolvimento na Amazônia (ensaios; 1968), Renascer pela água e pelo espírito (exposição sobre o batismo; 1970), Crise ou falência da educação cristã? (ensaio; 1971), O verbo e o texto (estudos linguísticos e literários; 1979), Transpoema (poemas; 1979), Universidade: Linguagem e Desenvolvimento (ensaios; 1980), Árvore do tempo (poemas; 1980), Universidade: Pesquisa e Pós-graduação (ensaios; 1981), Trevos e travos (trovas; 1982), Cantigas pro menino (poemas; 1995), Os anjos descem no rio (contos; 1996), Ponte sobre as horas (poemas; 1999).